• mulherdapalavra

O consumismo nos mantém alimentados e famintos



Por Glória Furman |


A cada visita aos Estados Unidos, nunca podemos prever o que se destacará para nós. Tem sido coisas diferentes nos últimos sete anos. Lembro-me de uma vez em que fiquei intrigada com a misteriosa nova seção em todas as mercearias: orgânicos. Em outras viagens, meus filhos tiveram sua curiosidade despertada por mulheres motoristas de ônibus, por máquinas de venda automática, pela presença de prédios de igrejas, por pessoas passeando com cachorros em seus bairros e pelas variedades estonteantes de Oreos. Se um camelo passeia pelas estradas ladeadas de dunas em casa, eles dificilmente olham duas vezes. Mas se passarmos por vacas em um campo, os pequeninos perguntam se podemos abaixar as janelas.


O mundano é relativo.


Veja, por exemplo, todos os convites que você recebeu até hoje. Você os considerou? Em uma breve visita aos EUA este ano, perdi a conta de quantos convites recebi. Não eram convites formais no sentido próprio, mas eram convites mesmo assim. A comissária de bordo fez anúncios sobre alguns programas especiais quando o avião pousou. Havia faixas na sala de bagagens. Outdoors cobriam a estrada. Sinais espreitavam dos cantos do saguão do hotel. Folhetos esperavam para serem vistos na mesa da sala. Folhetos foram colocados na minha mão na rua. Adesivos colados nas lixeiras. Os logotipos estavam por toda parte. O que dizer da internet? Claro, tudo isso é um ruído comum para aqueles de nós que vivem em ambientes saturados de mídia, mas vindo de uma cultura que é bastante minimalista em marketing, fiquei impressionada.


Como discernir qual convite aceitar? Qual ignorar? A quem permitimos que nos diga o que precisamos? Será que ainda fazemos essas escolhas por nós mesmos?


O drama mortal do consumismo


Os convites para participar do drama do consumismo se estendem a todos nós. O consumismo, a busca idólatra do prazer através das coisas, pode ser adorado tanto pelos pródigos quanto pelos simples.


Como todos os outros ídolos, o consumismo é apenas uma fachada vazia e inútil. O consumismo está faminto e porque imitamos as características do que adoramos, seus adoradores estão insatisfeitos e nunca satisfeitos. A busca idólatra do prazer por meio de coisas funciona contra a maneira como Deus nos projetou. Então, é claro, isso nos deixa miseráveis.


Deus nos projetou para ter nossa sede saciada em sua fonte de água viva, mas em vez disso, cavamos para nós mesmos cisternas quebradas que não podem reter água (Jeremias 2:13). Em vez de viver de cada palavra que sai da boca do Senhor (Deuteronômio 8:3), mesmo quando desfrutamos das coisas da criação, tratamos os dons de Deus como deuses. Como meus amigos Shai e Blair Linne disseram, nós “escolhemos comer a mentira” que Satanás convidou Adão e Eva a acreditar.


Satanás ofereceu a todos a mesma mentira, desde os patriarcas de Israel até Jesus e seus discípulos. Satanás não é inovador. O diabo sabe que o Criador nos projetou com necessidades, então ele trabalha para nos fazer banquetear com outras coisas além de Deus. Satanás é o arquiteto do curso deste mundo, essa força gravitacional projetada para reforçar a ilusão pagã de que a vida não pode ser mais do que comida e roupas. Que só os idiotas trocam tesouros na terra por tesouros no céu. Que o verdadeiro tolo digno de pena é aquele que não se preocupa com o amanhã. Que aqueles que buscam o reino de Deus e sua justiça ficarão muito desapontados.


Assim, os convites continuam chegando para participar do drama do consumismo em vez do drama da redenção. Se o consumidor for treinado para consumir enchimentos temporários, ele continuará se agarrando à próxima dose. Se o consumidor puder coletar os tokens que lhe dizem que ele encarna o que as imagens lhe prometem, ele ficará satisfeito por enquanto. Nós emulamos o ídolo – desesperado e faminto. A ironia sombria do consumismo é que somos nós que estamos sendo consumidos.


Quando o deus deste mundo alavanca nossas necessidades e redireciona nossa esperança para longe do próprio Deus, ele indiretamente impede nossa obediência à Grande Comissão.


Quantos missionários foram retidos pela rédea curta do consumismo?

Não podemos nos dar ao luxo de ir.


Quantos orçamentos da igreja foram estrangulados pela visão míope do consumismo?

Não podemos dar.


Quantas famílias foram limitadas por previsões de gastos consumistas?

Não podemos nos dar ao luxo de crescer.


Maior, melhor, mais novo, mais rápido! O canto da sereia do consumismo abafa a firme promessa de Jesus: “E eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mateus 28:20).


Jesus rompeu a camisa de força do consumismo


Como recusamos o convite para participar da narrativa do consumismo para nossas vidas? O minimalismo é a resposta? Em nossa luta contra o consumo de mais coisas, uma abordagem minimalista pode ajudar a cortar a circulação da ganância, mas precisamos que as afeições do nosso coração sejam redirecionadas para Cristo. Mesmo um estilo de vida “menos é mais” pode se tornar a maior coisa em nossos corações. Nosso zelo pelo minimalismo pode consumir tudo.


Na fonte de água viva encontraremos a satisfação que desejamos. E lá, somos convidados a beber o suficiente e continuar bebendo. Banqueteie-se com o pão da vida. Consuma cada vez mais de Cristo! Jesus pegou nosso desejo pecaminoso por coisas e ele o quebrou na cruz. O consumismo não tem mais direito a nossas afeições. Despertar uma fome mais poderosa por Jesus é nossa principal defesa contra uma busca idólatra de prazer em nossas coisas.


Também podemos parar de esperar retornos tão insignificantes do nosso dinheiro. Tanto poderia ser dito sobre isso. Refeições, roupas e casas são, na verdade, ministérios estratégicos da nova criação dados a nós por Deus. Nas mãos dos ministros da reconciliação, os sanduíches de salada de atum podem dar frutos que duram até a eternidade.


A dor corrosiva de querer coisas não pode destruí-lo, porque Cristo esmagou seu ídolo do consumismo em sua cruz. Você e seus filhos não sofrerão nenhuma falta quando confiarem nele. A missão de Cristo de glorificar a si mesmo é a sua missão e ele se deleita em nos libertar do consumismo idólatra para que possamos mostrar ao mundo que ele é suficiente.

 

Gloria Furman é autora de vários livros. Ela também é editora e colaboradora de Joyfully Spreading the Word. Ela mora em Dubai com seus quatro filhos e marido, Dave.


Texto original: Consumerism Keeps Us Fed and Starving.

Disponível em https://www.desiringgod.org/articles/consumerism-keeps-us-fed-and-starving


Tradução por Tiago Silva

111 visualizações0 comentário