• Mulher da Palavra

A Complexidade do corpo



Em época de pandemia é inevitável pensarmos no corpo humano e em toda a complexidade que envolve seu funcionamento. Certamente já lemos sobre as diferentes reações que o corpo humano pode apresentar quando infectado por um vírus tal qual o Covid-19 por exemplo.

Também já notamos como cada corpo humano responde ao clima, comida, temperatura, dentre outros aspectos e agentes externos. Sem dúvida o corpo humano é, muitas vezes, comparado figurativamente à uma “máquina” altamente complexa.

No entanto, o que me encanta é saber que existe um Criador muito inteligente que não só desenvolveu o corpo humano, como também, nos ensina muitas coisas a partir dele. Eu não sou da área biológica, mas sou uma curiosa que gosta de pensar que Deus não cria nada sem um propósito e, acima de tudo, Ele usa a sua criação para nos ensinar sobre coisas espirituais. O corpo humano, além de ter sido criado à imagem e semelhança de Deus Trino (Gn 1.26), também é uma fonte riquíssima de ensinamento sobre verdades espirituais.

A grande maioria de nós, quando pensa no corpo humano tende a focar basicamente em dois aspectos: parte externa e parte interna. Em outras palavras, o que se vê e o que não se vê. Em geral cuidamos da parte estética (apresentação, peso, maquiagem, roupa, enfeites, higiene etc) e no que se refere a parte interna, cuidamos em maior ou menor grau da saúde (alimentação e atividade física).

Raramente pensamos nas funções de cada parte do nosso corpo e em como elas se interligam. Isso fica ainda mais evidente se tudo “está dentro dos conformes”, ou seja, funcionando direitinho. Porém, nossa perspectiva muda quando a situação “modo automático” deixa de funcionar ou apresenta defeitos. Quando o nosso corpo apresenta um “problema” rapidamente começamos a pensar em como uma parte está ligada à outra e como elas se complementam formando um conjunto perfeito.

Recentemente perdi meu olfato e paladar por alguns dias, num primeiro momento pensei em como era frustrante não sentir cheiro ou gosto das coisas que eu gosto (café, comida, roupa limpa), algo tão normal. Depois tive que orar e entregar a minha decepção ao Senhor. Em seguida, pedi a Deus para que caso eu não voltasse a sentir mais cheiro de nada que eu não me tornasse uma pessoa amargurada. Também comecei a pensar e orar por pessoas que eu conhecia e que haviam perdido alguma parte das funções automáticas do corpo. Lembrei-me de uma professora com quem trabalhei, ela é poucos anos mais velha que eu, ela não é salva em Cristo Jesus e perdeu o olfato há anos.

Lembrei de uma senhora crente e cheia de fé que está perdendo a audição, eu a conheço bem e sei como ela fica frustrada de não conseguir entender o que as pessoas dizem. Me veio à mente um senhor, que por consequência de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) perdeu parte da visão e em como está difícil o ajuste à essa nova condição de vida. Orei por essas pessoas e por todos os cristãos que não conheço mas que estão sem uma parte do corpo funcionando no modo automático. Isso tudo me fez lembrar dos textos bíblicos que falam sobre o corpo de Cristo, a igreja.

A analogia do corpo é muito usada no Novo Testamento, o apóstolo Paulo gostava de se referir a ela como podemos notar em I Coríntios 10 e 12; Efésios 4 e5; Colossenses 1 e 3 e Romanos 12. Muitas dessas passagens explicam a necessidade e utilidade dos diferentes dons que o Espírito Santo concede a cada filho de Deus. E, sempre a figura do corpo está atrelada à cabeça que é Jesus Cristo nosso Salvador. No entanto, gostaria de ressaltar as aplicações da analogia do corpo humano com o corpo de Cristo que vão além dos diferentes dons. Em I Coríntios 12 o apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo apresenta que:

“O corpo humano tem muitas partes, mas elas formam um só corpo. O mesmo acontece com relação a Cristo. Alguns de nós são judeus, alguns são gentios, alguns são escravos e alguns são livres, mas todos nós fomos batizados em um só corpo pelo único Espírito, e todos recebemos o privilégio de beber do mesmo Espírito (versos 12-13 (NVT) – grifo meu)” – a Palavra de Deus nos mostra que o corpo de Cristo é formado por diversidade, pessoas bemmmm diferentes, de acordo com a lista apresentada, mas que tiveram o privilégio de serem unidas pelo mesmo Espírito.

“De fato, o corpo não é feito de uma só parte, mas de muitas partes diferentes[...] E, se o corpo todo fosse orelha, como sentiriam o cheiro de algo? Mas nosso corpo tem muitas partes, e Deus colocou cada uma delas onde ele quis [...] Assim, há muitas partes, mas um só corpo [...] E a cabeça não pode dizer aos pés: Não preciso de vocês (versos 14 – 21 (NVT) – grifo meu)” – a Palavra deDeus nos revela que muitas partes foram colocadas por Deus e cada uma delas tem uma função, um propósito. Aqui também revela mais um privilégio, até o Cabeça reconhece as funções das outras partes do corpo.

“Ao contrário, algumas partes do corpo que parecem mais fracas são as mais necessárias. E as partes que consideramos menos honrosas são as que tratamos com mais atenção (versos 22-23 (NVT) – grifo meu)” – pense nos cílios dos olhos, super fracos, mas são de vital importância na proteção do olho, portanto não existe cristão desnecessário. A Palavra de Deus ainda complementa nos mostrando que existem aquelas partes “menos honrosas”, talvez aquele irmão ou irmã carnal, que sempre dá trabalho. Eles precisam

ser tratados com mais atenção, isso não significa tolerar a sujeira do pecado, mas incentivá-los a se lavar constantemente nos pés da cruz e, muitas vezes, isso envolve disciplina.

“[...] Deus estruturou o corpo [...] isso faz que haja harmonia entre os membros, de modo que todos cuidem uns dos outros. Se uma parte sofre, todas as outras sofrem com ela, e se uma parte é honrada, todas as outras com ela se alegram. Juntos, todos vocês são o corpo de Cristo, e cada um é uma parte dele (versos 24 – 27 (NVT)– grifo meu)” – Nesse trecho temos ressaltado que a estrutura

foi organizada e definida por Deus para que haja harmonia, ou seja, cada parte desempenha sua função. Mas, há momentos que uma parte sofre e todo o restante do corpo sofre junto. Sendo assim, não somos cristãos isolados, pelo contrário, cada um é parte vital do corpo de Cristo.

O apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, apresentou essa analogia afim de nos ensinar um estilo de vida que supera os demais, conforme escrito no final do verso 31 de I Coríntios 12 (NVT). Esse estilo de vida é o amor, conforme ele apresenta no capítulo 13. Em outras palavras, particularmente não acho meu nariz esteticamente bonito, inclusive esse é um ponto de piada na família. No entanto, amo o fato de meu nariz desempenhar bem sua função e propósito. No corpo de Cristo é assim, acima da estética e diferenças está a função, o propósito e isso só é possível pelo amor. Primeiro, o amor de Cristo por nós, segundo o amor que nós desenvolvemos por nossos irmãos e irmãs.

Por fim, algumas aplicações práticas para nossa vida. Certamente, nesse momento há muitos irmãos e irmãs (parte do corpo) sofrendo, seja por doenças ou impacto financeiro decorrente da pandemia. Qual tem sido nossa atitude em relação ao corpo? Cada um de nós pode e deve orar, doar roupas e alimentos, se oferecer para ir ao mercado, posto de saúde, farmácia. Oferecer uma carona ou mesmo levar um mimo para alguém que está sozinho(a) nesse período. É assim que o corpo demonstra harmonia e cuidado uns pelos outros. Que o Senhor nosso Deus nos ajude a sofrer e a nos alegrar com os outros, esse é um estilo de vida que supera os demais.



Bianca Bonassi Ribeiro


Bianca é casada com Luciano. Eles têm dois filhos, o Pedro e o Vitor. Ela faz parte da equipe docente da Universidade Presbiteriana Mackenzie-SP, desde 2007 e é membro da Primeira Igreja Batista de Atibaia. Bianca é doutora em Comunicação e Semiótica, mestre em Administração e graduada em Administração de Empresas

0 visualização

11.4412-6679

"FALA COM SABEDORIA E ENSINA COM AMOR."

Proverbios 31:26