• Equipe Mulher da Palavra

Hospitalidade. por Diane Hofer Ellis



Um dos ministérios que está no coração de Deus é hospitalidade. Tão importante que é uma qualificação dada por Paulo para os lideres e viúvas na Igreja (1a Timóteo 3.2, 5.10, Tito 1.8) como uma expressão de amor (Romanos 12.13). Atualmente, este ministério de hospitalidade tem sido negligenciado, mas é importante no corpo de Cristo e merece ser reconsiderado.

O que é hospitalidade? Qual é o seu proposito no corpo de Cristo? Hospitalidade significa abrir sua casa para fornecer hospedagem aos que precisam de abrigo. Hospitalidade não é fornecer “entretenimento”, mas é um ministério de cuidar das necessidades físicas, emocionais e espirituais dos outros, no contexto do lar.

Hospitalidade e entretenimento

Qual é a diferença entre entretenimento e hospitalidade? Entretenimento contém a ideia de criar um evento que foca em deixar os convidados se divertindo. A hospitalidade não é um evento, mas sim, um modo de vida.  O foco é ministrar nas necessidades da outra pessoa.

Existem mudanças na nossa cultura que têm acabado com a hospitalidade. Quando as famílias já não passam mais tempo no lar, o fundamento da sociedade começa a arruinar. “Quando nossas casas deixam de ser o centro das atividades de nossa família, isso quase impossibilita a pratica de hospitalidade. Entre o trabalho e a escola e o treino de futebol e aulas de piano e serviço comunitário e, sim, mesmo atividades da igreja, muitas famílias não estão mais em casa”! (Devi Titus, A Experiência da Mesa, 9.) Hospitalidade começa em casa

Você já percebeu que comer juntos é uma atividade espiritual, que promove comunhão entre pessoas, e entre pessoas e Deus? Encontramos isso desde Gênesis, quando Abrão preparou “churrasco” e pão para Deus e Seus anjos, e depois, quando Ló ofereceu abrigo aos dois anjos em Sodoma. A hospitalidade foi “entronizada” na construção do tabernáculo. Depois da arca da aliança, o segundo objeto do templo que Deus mandou fazer era a Mesa de Pães (Ex. 25:23). Ele diz para Moises: “Coloque o pão da Presença na mesa diante de Mim sempre” (Ex. 25:30).” O pão da Presença” é um símbolo da presença de Cristo na nossa mesa, e da nossa comunhão com Ele. A mesa é um lugar natural para mostrar o amor de Jesus para quem senta na mesa conosco. Podemos encontrar muitos outros trechos tanto no Velho Testamento quanto no Novo Testamento onde a mesa é destacada: Rebeca e o servo de Isaque (Gênesis 24.31), Davi e Mefibosete (2 Sam. 97)”, a Mulher de Shunem (Gênesis 24:31; 2 Reis 4:8-10), Salmo 23.5, a casa de Marta e Maria (Lucas 10.38), a Pascoa, até o banquete com Jesus no reino final (Lucas 22:29-30)! Um lugar muito pratico para celebrar nossa comunhão como família está em volta da mesa—não na frente da tv. Deus mesmo está presente conosco de forma especial quando nos reunimos na mesa da família para nutrir nossos corpos, mentes, almas e espíritos.  

Hospitalidade deve começar em casa, com nossas próprias famílias, preparando um local acolhedor para o marido e os filhos. Enquanto você busca ser hospitaleira para com os outros, você tende a ser inóspita para com os membros da sua própria família? Você grita com seu marido e filhos ou suspira pesadamente sob a falsa sensação de que ninguém além de você está fazendo qualquer trabalho? Você reclama sobre o dinheiro gasto, o tempo investido, os pisos que precisam varrer (novamente!)? 1 Pedro 4: 9 fala: “Mostre a hospitalidade um ao outro sem resmungar”. Quando fazemos nossas próprias casas um ambiente inóspito para as pessoas que mais amamos, estamos perdendo o coração de Deus para a hospitalidade. Então, começa em casa com sua própria família. O lar é para ser um lugar protetor, no qual os membros da família edificam relacionamentos saudáveis uns com os outros, aprendendo, rindo, crescendo juntos e construindo um senso de identidade e comunidade do qual a família é formada. Hospitalidade entre os crentes

Hospitalidade deve se estender à igreja, também. Deve ser muito natural receber outros membros do corpo de Cristo em nossas casas, e não somente nossos amigos mais especiais, mas também as pessoas que nem conhecemos bem. Nosso lar pode ser um abrigo para  os jovens, as solteiras, alunos, órfãs, idosas, a liderança, etc. Não importa se nossa casa for uma mansão de um milhão de reais ou uma casinha pequena e humilde, nossos lares podem ser lugares onde as pessoas recebem vida, força e ajuda, paz e piedade. O lar é lugar que Deus nos deu, e seja quem for, são plataformas para estender a graça aos outros. Hospitalidade e simplicidade

Provérbios 17.1 diz “Melhor uma crosta seca com paz e quietude que uma casa cheia de festa, com contenda” (NIV). Você pode ter muito pouco a oferecer, mas se você oferecer paz e alegria, isso pode ser um ministério significativo para pessoas, se a presença de Cristo for evidente. Você não tem que preparar um banquete para receber pessoas no seu lar. Se lembra como começamos este artigo? Simplesmente pão na mesa significou a presença de Deus entre os judeus, e a presença de Jesus Cristo na ceia. Um cafezinho e um pãozinho, oferecido com o amor de Jesus, é suficiente! O objetivo é cuidar de almas, não impressionar os convidados com nossa extravagância. Procurando a simplicidade, aprofundaremos e multiplicaremos o ministério. A simplicidade facilita espontaneidade, porque não exige tanto planejamento, e em vez de focar na comida, podemos passar mais tempo orando, conversando, amando e até chorando!

Hospitalidade para não crentes

Podemos e devemos estender a hospitalidade aos não crentes também. Podemos usar nossos lares como uma plataforma para atrair pessoas a Cristo. Um dos maiores propósitos do cristão é mostrar “em carne e osso” o evangelho, quem é Deus, quem é Jesus Cristo, através das nossas próprias vidas. Que lugar melhor para fazer isso do que dentro dos nossos lares! Hospitalidade, entre o real e o ideal.

Irmãs, eu sei que não é fácil receber pessoas em casa. Requer energia, planejamento, e preparação. Mesmo que nossas casas não estejam perfeitas, devemos ser razoavelmente prontas para receber pessoas. A casa na se limpa, a comida não se faz. Mas para usar nossos lares para ministrar às pessoas, fisicamente, emocionalmente e espiritualmente, devemos encontrar o equilíbrio entre o real e o ideal. Pensem em Marta e Maria em Lucas 10:38-42. Quem era mais hospitaleira? Eu proponho que as duas tiveram corações hospitaleiros. Marta foi muito boa na preparação da casa e comida; Maria foi muita boa de ouvir. Mas qual foi o problema no coração de Marta? Ela estava preocupada sobre muitos detalhes—mas detalhes não têm fim! Há o momento de dizer “chega” para os detalhes! No fim das contas, o que importa são pessoas, e não as condições perfeitas de nossas casas.

Hospitalidade e o coração

E para terminar, devemos fazer menção que quando nos dedicamos à hospitalidade, frequentemente precisamos avaliar os motivos e condições de nossos corações. Estamos resmungando em nossos corações sobre abrir nossas casas aos outros? Os detalhes estão nos consumindo, tirando nossa alegria? Estão nos distraindo de focar em pessoas? Estamos mais preocupadas com a aparência de nossa casa ou com a comida do que exaltar Cristo e atrair pessoas a Ele? Esperamos que alguém vai nos retribuir? Se nossa hospitalidade interfere ou impede que as pessoas encontrem Jesus, então não estamos envolvidas na hospitalidade – somente entretenimento. Devemos nos lembrar que Jesus disse a Martha que Maria escolheu a melhor parte! No fim das contas, Cristo, o Evangelho e a Palavra de Deus são mais importantes e a hospitalidade é uma plataforma maravilhosa para os encontrar!

Diane Hofer Ellis



Diane é escritora do blog Mulher da Palavra e da palestras em igrejas sobre feminilidade bíblica.

#DianeEllis #Feminilidade

1 visualização

11 4412-6679

"FALA COM SABEDORIA E ENSINA COM AMOR."

Proverbios 31:26